quarta-feira, 20 de maio de 2015

" BOMBA E BOMBA" Justiça decreta sequestro dos bens do ex-prefeito de Bacabal – MA

O ex-gestor é acusado de fazer parte do esquema que desviou mais de R$ 4,5 milhões da prefeitura daquele município. 
IMG-20150519-WA0080As prisões realizadas pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais na manhã desta terça-feira (19) em Bacabal fazem parte da “El Berite”, quarta etapa de operações contra crimes de agiotagem no Maranhão.
Investigações revelaram que os envolvidos faziam parte de um esquema que desviou dos cofres públicos de Bacabal mais de R$ 4,5 milhões na época que Dr. Lisboa foi prefeito.
A empresa do ramo da construção civil El Berite tem ligações com o agiota Josival Cavalcante, o “Pacovan” e recebia verbas públicas da Prefeitura de Bacabal que, em seguida, eram repassadas para algum membro da quadrilha.
Além da prisão temporária que deverá durar cinco dias, a Justiça concedeu também a indisponibilidade e sequestro dos bens de todos os acusados.
Tanto o ex-prefeito Dr. Lisboa como os demais estão presos em pequenas celas da Delegacia da Cidade Operaria para onde foram levados após serem apresentados na sede da SEIC.
Vale lembrar que existem outras causações de corrupção pesando sobre os ombros do ex-gestor municipal.
Operação “Cheque em Branco”
Em 2013, foram cumpridos 10 mandados de condução coercitiva na capital e em outras sete cidades do interior do Maranhão. Os investigados foram conduzidos até a Superintendência Regional de Polícia Federal no Maranhão para se submeterem a interrogatórios, acareações e demais procedimentos relativos aos seus indiciamentos.
A operação é fruto de investigações que apontam  a existência de um esquema de agiotagem no Estado. Estão envolvidos diversos gestores e ex-gestores municipais, empresários de diversos seguimentos, especialmente do ramo de factoring, bem como as empresas sob seus respectivos controles, esquema este movimentado e alimentado, inclusive, por meio do desvio de recursos públicos federais, notadamente daqueles destinados à educação e à saúde.
O nome da operação faz alusão ao modus operandi da organização criminosa, o qual indica que os referidos gestores municipais entregavam cheque e guias de saques, vinculados à contas abertas especificamente para movimentação de recursos federais dos municípios, todos assinados “em branco” pelos gestores, como forma de pagar empréstimos pessoais contraídos a juros exorbitantes, deixando ao alvitre dos agiotas os recursos públicos federais repassados aos municípios.
Do Blog do Sergio Matias

0 comentários :

Postar um comentário